Autoria: Rodolfo Amorim, MEMec (IST)

O sol tinha-se posto mais cedo naquele dia. O bulício infernal do quotidiano tinha finalmente acabado. Os seus pensamentos figuravam agora não só pessoas, mas emoções vagas. Olhando para o corpo inanimado da sua mulher, o homem fita um rosto sereno, um rosto que nunca mais poderá fazer sorrir ou chorar, dela não terá mais ideia. A sua consciência acabara, assim, por fechar um quarto cujos residentes foram obrigados a viver na sala das memórias por um tempo indeterminável.


“Paragem do miocárdio. Como foi durante o sono, foi uma morte sem dor e pacífica”- disse o médico, cujas costas aparentavam carregar um fardo corpulento. 

Por breves momentos, após a sentença do médico, os olhos destes dois colaram-se, mas o médico virou-se e deixou a pequena sala mais cinzenta. Não houve trocas de palavras. O homem levantou-se e tocou pela última vez o rosto da sua cara-metade.

Depois desse breve momento abandonou o hospital sem olhar para trás. O homem caminha então para o café perto do rio, como sempre fizera quando algo de mal lhe acontecia. Entretanto, começara a chover.


Caminhando pela calçada irregular, algo puxa a sua atenção para o seu relacionamento: “No fundo nunca gostei muito dela, discutíamos sempre que podíamos. Era um fardo estar ao lado dela…”. Algo que estava aprisionado até agora tinha saído da sua jaula, como se alguém tivesse deixado a porta aberta, dizendo: “és livre”. Pasmado com a sua honestidade fria e insensível tenta desviar-se da ideia que tivera. Uma criança e o seu cãozinho fazem o homem parar com as suas brincadeiras. Melancólico, observa a forma gentil como a criança e o cãozinho expressam a sua ternura um ao outro.


“Ah, quanto sinto saudade disso…Eu sei que a ternura não é só mais que uma simples ação que nos deixa feliz, pois o nosso corpo produz oxitocina e endorfinas aquando destas, mas há algo a mais que provocou em mim um vazio, mas de certeza que…”, as gargalhadas inocentes da criança prendem a atenção do homem por breves momentos, a melodia anterior tinha-se erguido mais uma vez mas tinha ficado mais escuro.


“O CAFÉ NÚMERO 2”,diz o letreiro velho e sujo, o cansaço indeterminável da vida envolvia aqueles que estavam à porta do café, como sempre. Dentro do café, o barulho insuportável do quotidiano tinha voltado. Atordoado por isto, foi refugiar-se perto da janela redonda que dava para o rio, deixando-se cair na cadeira pega no jornal que estava em cima da mesa. Mas as mesmas discussões de sempre tinham-lhe retirado qualquer interesse em continuar a leitura.


“É o usual?”, pergunta o empregado. “Sim.”, retorque, quase imediatamente. O empregado volta-se sem dizer mais nada. O homem, de cigarro já na boca, deixa o som metálico do isqueiro incendiar a sua mente.


“É óbvio que as relações trazem uma sensação de segurança, todos queremos que alguém tome conta de nós inconscientemente, temos de arranjar alguém que substitua os nossos pais não em pessoa mas sim em consciência”, argumentando com alguém que, na verdade, nunca lá estivera, “há até quem defenda que nos apaixonamos por aqueles que tiverem mais semelhanças com os nossos pais!”, algum fumo foge-lhe do corpo. Apesar de desviar o olhar para outro cliente, o silêncio que se prendia no seu canto fê-lo pensar que todos tinham concordado com o que tinha concluído.


Alguns raios de sol já se conseguiam ver das nuvens, “será que nos apaixonamos somente para continuarmos o fim mais primitivo da nossa raça?”, mais uma vez, expulsa o fumo que tinha acumulado em si, apesar dos seus olhos estarem pesados, o sabor seco do cigarro devolve-lhe o desejo de encontrar uma resposta.


Depois de uma pequena pausa, retorna: “ah, já percebi, já percebi sim…Não passamos mais do que umas rodas dentadas desprezíveis, vivemos para que a máquina da mãe natureza continue a funcionar, e mesmo que alguma se estrague outra irá substituir o seu lugar… No fim de tudo somos inúteis, completamente inúteis!”. O rio ao fundo da cidade já se conseguia ver, mas aparentava estar parado.


“Em que se distingue o amor que tive com a minha mulher daquele que todos os outros casais têm? Somos todos iguais até no mais ínfimo pormenor, industrializados e esterilizados, deram-nos um rótulo e uma função que estamos destinados a seguir inevitavelmente”. Outra pausa dá-se no espaço pequeno, mas este retorna ao raciocínio de forma brusca: “amamos alguém e acabamos por nos arrepender, evitamos isto e acabamos por nos arrepender também…, sorrir ou chorar?

Nada disso já interessa, tentamos pôr uma lógica por trás de acontecimentos que não têm sentido evidente, por sermos irracionais,  tentamos dar respostas a perguntas que não existem no plano da utilidade só porque somos ridículos, transformam-se os campos de flores nos locais mais ermos, certezas são portas que se abrem apenas para as confusões, dou a mão à solidão e ao amor mas sei que são meras extensões de mim próprio, aparte do silêncio mais nada nos faz mover, somos todos atores secundários no palco da vida mesmo aqueles aparentam ser importan-”.


“Aqui está”, o empregado poisa com cuidado o café na mesa, “se precisar de mais alguma coisa é só dizer” e vai-se embora. O homem, já cansado, contempla o dia solarengo pela janela, de seguida bebe o café que fervia. Levanta-se e acena para o empregado como se fosse um sinal de que iria voltar. Assumia, assim, ser humano. 

Referências

[1] Heather M. Chapman, “Love: A Biological, Psychological and Philosophical Study”, University of Rhode Island, 2011, Available: ”

Leave a Reply