1º Encontro de alumni da especialização em Jogos de MEIC

 

14425424_1315575281786058_567059936575199977_o

No passado dia 16 de setembro, realizou-se no campus do Taguspark do Instituto Superior Técnico o primeiro encontro de Alumni da especialização em Jogos do mestrado em Engenharia Informática e de Computadores, celebrando os 9 anos de existência e a passagem de mais de 280 alunos, agora ancorados no tecido empresarial português, pelas unidades curriculares oferecidas.

“Espero um dia ter uma carreira ao nível dos alumni dos painéis, de modo a ser convidado para o meu próprio painel.” – Carlos Margarido

O encontro teve a participação de 50 alunos que assistiram às apresentações de: André Almeida, aluno de 2008 e hoje game designer independente com vários jogos internacionalmente reconhecidos no mercado; Daniela Fontes, aluna de 2013 que se deslocou da sua startup Coimbrã focada em Realidade Virtual para partilhar a sua experiência no evento; e Nuno Monteiro, aluno saído em 2008 e que esteve ligado à evolução de vários grandes nomes da indústria portuguesa de videojogos.
14379656_1315584375118482_5455277819931750048_o

Os  presentes tiveram ainda o privilégio de visitar o novo espaço do Laboratório de Jogos do IST e participar (de uma forma fortemente interativa, não fosse um evento sobre videojogos!) num painel composto pelos oradores e mais dois antigos alunos: Miguel Tomás, aluno de 2013 e sócio fundador da Bica Studios e Pedro Engana, aluno saído em 2014 e correntemente na Miniclip. Suportado por perspetivas cruzadas sobre 9 anos de ensino e estudo de videojogos no ISt, o painel abordou o passado, o presente e o futuro da especialização em jogos e discutiu o formato do próprio encontro de Alumni. Vários participantes decidiram prolongar a experiência e prosseguir a discussão dos diversos tópicos ao jantar. A reportagem fotográfica ficou ao encargo do LAGE2.

“Encontro necessário para todos aqueles que pretendem seguir a Área de Jogos.” – Pedro Saldanha

O nível de participação dos alunos dos vários anos que passaram pela especialização de jogos tornou claro que este é um evento que todos desejam ver repetir regularmente. Em particular, no próximo ano, a especialização faz um década de existência e será um evento com uma carga muito especial.

                                                                                                                    artigo da autoria de Prof. Carlos Martinho

LUX

LUX é a única curta-metragem  académica portuguesa selecionada para exibição no festival de Cannes 2016 na secção Short Film Corner. A obra realizada por Bernardo Lopes e Inês Malveiro foi produzida pela Universidade Lusófona de Lisboa, onde estudam, e já foi exibida em mais de dez festivais de cinema tanto a nível nacional (Lisboa & Estoril Film Festival), como a nível internacional (World of Film Festival Glasgow)

O Diferencial foi beber café com Henrique silva, antigo aluno de MEEC do Instituto superior Técnico e o Diretor de som e música desta criação.

Diferencial: Fala nos do LUX.

Henrique Silva: Esta é aquela história clássica. O Pedro é um escritor com o processo criativo interrompido e isto não lhe permite fazer nada. O filme é muito simples, foi filmado em película e só tem planos fixos. Posso dizer que, não sendo triste, é muito sombrio e observacional, ao estilo do cinema europeu. Tivemos o cuidado de garantir que cada espetador saísse com uma ideia própria, um conceito que eu acho muito bonito.

Diferencial: Quando aceitaste o desafio sentiste que viria a ter tanta visibilidade? Sonhavas ir a Cannes?

Henrique Silva: Nunca na vida! Nós trabalhámos e demos o nosso melhor na procura de reconhecimento, mas nunca pensei chegar a Cannes. Nunca pensei vir a dar entrevistas por causa de um filme que fiz. Não estava a espera que o filme tivesse este impacto. Fomos a mais de 10 festivais, fomos à Índia, a Glasgow e agora vamos a Cannes. Foi o meu primeiro filme, foi tudo muito experimental para mim, apesar de estar num curso de som, este não é direcionado para o cinema.

Quando começámos a pré-produção do filme, em 2015,não conhecia o grupo de trabalho que tenho hoje. É que nem éramos do mesmo curso. Eu e o Luís, o meu parceiro do crime, tínhamos que fazer o projeto de curso e pensámos juntar-nos à malta de cinema e trabalhar nas curtas finais. Todos os anos há o evento Over And Out, no São Jorge, onde elas depois são apresentadas. Queríamos participar um pouco neste mundo como num projeto de investigação.A realização deste filme tem uma história bonita. Na altura não nos conhecíamos mas tivemos uma química incrível, uma relação de amizade e de trabalho que acho terem sido o segredo do filme.

Diferencial: LUX Road Trip. A ideia de uma viagem de auto-caravana com amigos, ao longo de todo Portugal, é um sonho de muitos jovens. Qual é o plano?

Henrique Silva: A auto-caravana só leva quatro, se pudéssemos íamos os seis ou até mais (risos). O que queremos fazer é arranjar espectadores para este filme. Pensámos “Epa, vamos fazer uma “road trip” por Portugal e mostrar a nossa curta”. Conseguimos arranjar os patrocínios da Lusófona e da Indie Campers e juntámo-nos a outros colegas para realizar este sonho de partirmos à aventura. A nossa viagem começa em Cannes e passa por vários cine-teatros e escolas desde o Porto até ao Algarve.

O nosso país está cheio de cine-teatros que ao longo dos anos se têm vindo a perde. Esta é a forma que nós encontrámos para dinamizar estes espaços enquanto divulgamos o nosso cinema. Nisto, também queremos gravar o percurso e criar uma longa metragem. O cinema português esteve nas ruas da amargura. As nossas obras são muito poéticas, numa altura em que a malta jovem tem o estilo americano muito enraizado. Agora começa-se a ver um renascer do cinema jovem português e, com isso, uma maior apreciação do mesmo. Isto com Cannes muda tudo! Queremos aproveitar esta oportunidade para darmos o nosso contributo.

Diferencial: Saíste do IST para fazer filmes? Se voltasses atrás no tempo até ao teu primeiro ano aqui no campus da alameda o que e que dirias ao teu eu caloiro?

Henrique Silva: Quando entrei no Técnico pensava que queria ser engenheiro. Queria ser engenheiro, o meu pai é engenheiro… era aquela coisa. Entretanto reparei que passava muito tempo a tocar, a ouvir música e, no meu segundo ano, já me sentia infeliz. Não estava a ter sucesso. Falei com os meus pais, o que não foi fácil. A ideia do Técnico é muito segura. Esta área nem tanto. Eu tinha essa noção, mas era a minha paixão. Fui para a Lusófona. Esforcei-me muito, tornei-me monitor assistente e deixei de pagar propinas. Tentei dar o meu máximo. Aprendi tudo de raiz, só sabia tocar guitarra.

Não há nada como uma pessoa fazer aquilo de que gosta. É um ponto comum, mas é verdade. O meu conselho seria seguir aquilo que nos faz vibrar.

Facebook LUX