Autoria: Patrícia Pereira e António Telo

Cada um de nós individualmente contribui para o agravamento do aquecimento global.  Cada vez que viajamos de avião ou optamos por um outro meio de transporte que usa  combustíveis fósseis ou comemos um pedaço de carne estamos direta ou indiretamente a  emitir gases de efeito de estufa e a contribuir para o seu aumento de concentração na  atmosfera. 

O aquecimento global é um problema urgente sobre o qual temos de agir, reduzindo e  idealmente eliminando as emissões. Se soubermos como contribuímos para o  aquecimento global, temos o poder de evitar fazê-lo: através da informação e tomadas de  decisão.  

Não nos esqueçamos porém de que são as empresas que produzem a maior parte das  emissões e que comparativamente a estas, as nossas emissões não são assim tão  significativas. Mas é a consciencialização e a mudança do comportamento individual que  leva a mudanças no colectivo. E todos os esforços individuais são um contributo para um  objectivo a ser atingido em conjunto. 

Vejamos então o quanto emitimos individualmente. Em média, cada ser humano emite 5  toneladas de CO2 para a atmosfera por ano, sendo que cada país exibe quadros muito  diferentes: nos países desenvolvidos emite-se muito mais (por exemplo, nos Estados  Unidos emite-se 16.5 toneladas por habitante) do que nos países em desenvolvimento  (nas Filipinas emite-se apenas 1 tonelada). 

Vejamos agora o quanto cada acção que realizamos contribui para essas emissões. Entre  as actividades de maiores emissões salienta-se andar de carro, que emite cerca de mil a  5 mil kg de CO2 por ano, e fazer uma viagem de avião, que emite cerca de mil a 3 mil kg.  A actividade que mais emite é ter uma criança, que emite cerca de 20 mil a 120 mil kg. Trata-se porém de um tema discutível que não abordaremos neste artigo.  São estas as actividades de maior  impacto, sendo que as primeiras duas não são assim tão difíceis de evitar, a primeira  andando de transportes públicos e de bicicleta e a segunda procurando viajar de comboio  sempre que possível. Outras modificações de grande impacto ao nosso alcance são  utilizar energia verde, o que leva a uma redução de até 2,5 mil kg, ter um carro mais  eficiente, o que reduz cerca de mil kg e ter uma dieta à base de plantas, que reduz até  cerca de 1,5 mil kg. Mas existem mais coisas que podemos fazer. Ações que levam a  reduções de médio impacto são investir no isolamento da casa, utilizar energias renováveis, comprar  produtos energeticamente mais eficientes, pendurar a roupa para secar, não desperdiçar  a comida, comer menos carne, reciclar e comer alimentos locais. Para uma lista completa  de actividades com as correspondentes emissões veja a tabela e o gráfico no final do artigo. 

Os cientistas descobriram que quando uma pessoa toma uma decisão orientada para a  sustentabilidade, as pessoas à sua volta tendem a tomar também essa decisão. 

Existem também ações que têm um impacto não mensurável mas que são igualmente  importantes, como consciencializar os demais acerca destas temáticas e pressionar as  instituições e as empresas. Temos de agir não só como consumidores mas também como  cidadãos e pressionar os governos e as empresas a fazer as mudanças necessárias. Ações políticas de grande impacto, como abolir subsídios a combustíveis fósseis, taxar a  poluição do ar, ou pôr um preço nas emissões de carbono faz com que os fornecedores  de energia verde possam competir igualitariamente com os fornecedores de combustíveis fósseis. Está ao nosso alcance como cidadãos protestar, escrever cartas, fazer lobby directo, expor os políticos e as organizações  com más práticas e votar em governantes que atribuem prioridade à acção climática. 

Tudo o que descrevemos neste post são mudanças de estilo de vida e acção cívica que  podemos tomar de forma a combater as alterações climáticas. O primeiro passo, estar  informado, já foi dado por si através da leitura deste post. Agora falta o segundo, a sua  tomada de decisão: de que está à espera? 

Para mais artigos sobre as alterações climáticas e o ambiente convidamo-lo a visitar o nosso blog.

Para avaliar o impacto deste artigo, gostaríamos que preenchesse este questionário (não demora mais do que 1 minuto).

Tabela com actividades e correspondente impacto na redução das emissões de CO2 por  ano:

Gráfico com a comparação das actividades e respectivas emissões: 

Referências:

Tabela e gráfico por Seth Wynes e Kimberly A. Nicholas do artigo “The climate mitigation  gap: Education and government recommendations miss the most effective individual  actions”, em Environmental Research Letters, Julho 2017, DOI: 10.1088/1748-9326/ aa7541

Leave a Reply