O livro 30 Non-Vegan Excuses & How to Respond to Them de Ed Winters, cujo download legal e gratuito pode ser feito aqui, convida-nos a refletir sobre os argumentos que frequentemente utilizamos para justificar o consumo de produtos animais. Esta é a segunda parte duma série de 3 textos numa parceria do Ambientalist com o Diferencial que, num estilo socrático, sintetiza/traduz as ideias do livro. A primeira parte está disponível aqui.

Autoria: Vasco Grilo

11- Animais não sentem dor, ou não sofrem do mesmo modo que nós

Dum ponto de vista evolutivo, não será lógico que animais tenham desenvolvido a capacidade de sentir dor para poder escapar de situações perigosas e minimizar potenciais ferimentos? Porque é que vacas mães choram durante horas após o sequestro dos seus filhos? Porque é que cães sofrem de ansiedade de separação quando o seu dono os deixa? Porque é que, ao administrar morfina a peixes que apresentem sinais de dor, os respetivos sintomas e respostas desaparecem? Por defeito, não será a nossa obrigação moral garantir que nenhuma dor desnecessária é causada a seres sencientes?

12- É a cadeia alimentar

Será a nossa posição comparável à de predadores como lobos que, embora estejam no topo da cadeia alimentar, matam outros animais por necessidade? Estando numa posição de poder, não teremos a responsabilidade de cuidar dos mais vulneráveis? Não ditará a nossa agência moral que podemos e devemos ser responsabilizados caso inflijamos, ou paguemos para que se inflija, sofrimento desnecessário?

13- Nós somos mais inteligentes

Caso a inteligência seja um fator importante, fará sentido comer animais? Não serão as plantas ainda menos inteligentes do que animais? Não será o conceito de inteligência subjetivo? Será que podemos tratar de forma dominante pessoas com um QI significativamente mais baixo do que o nosso (por exemplo, se a diferença entre QIs for maior do que 50)? Não teremos a obrigação moral de nos preocupar e cuidar dos mais fracos ou menos capazes? 

14- Estamos a fazer aos animais um favor em dar-lhes uma vida

Se criarmos cães e depois os mutilarmos, maltratarmos e matarmos, seremos boas pessoas por lhes darmos uma experiência de vida? Será que uma bezerra que à nascença é separada da sua mãe, e que em adulta é consecutivamente emprenhada à força e separada dos seus filhos, tem infeções excruciantes, e é maltratada pelos seus captores, deve estar grata? Será que uma porca cuja vida inteira é passada em confinamento, com longos períodos presa dentro duma cela de gestação demasiado pequena para se mover ou virar, deve estar grata? Será que achamos que podíamos ir a um matadouro, olhar um animal nos olhos quando está prestes a ser morto, e dizer-lhe que nos deveria agradecer pela sua vida?

15- Não podemos simplesmente melhorar as condições de vida dos animais?

Será que os animais criados em quintas locais são levados para matadouros diferentes, ou são mortos da mesma maneira que os animais de criação industrial? Não há dúvida de que melhorar as condições de vida é bom, mas será possível tirar compassivamente, benevolentemente ou humanamente a vida a um animal que quer continuar a viver? Com um sistema de agricultura familiar idílico, haveria espaço suficiente para satisfazer de forma ambientalmente sustentável a procura mundial por produtos animais? Estaremos dispostos a que, devido ao custo elevado do sistema idílico, produtos animais fiquem disponíveis só para os ricos? Será que queremos que comer animais seja, como antigamente, um símbolo de domínio financeiro? 

16- Moralidade é subjetiva

Pode existir algum grau de subjetividade na moralidade das nossas escolhas, mas será moral causar intencionalmente dor e sofrimento sem nenhuma razão necessária? Não será verdade que a moralidade, na sua forma mais simples, consiste em fazer aos outros aquilo que queremos que nos façam a nós?

17- Tudo em moderação

É ótimo que já tenhamos reduzido o consumo de produtos animais, mas fará sentido interromper essa redução enquanto ainda estivermos a pagar para que animais sejam explorados e abatidos?

18- Não é possível ser 100 % vegano

Embora não seja possível evitar 100 % dos danos causados pela COVID-19, dentro do que é possível e prático, não valerá a pena combater a pandemia? Moralmente falando, haverá alguma diferença entre atropelar um cão acidentalmente ou propositadamente? Seguindo a mesma lógica, não existirá uma diferença moralmente relevante entre um animal ser morto acidentalmente na produção de colheitas e um animal ser propositadamente criado em condições deploráveis e ser morto num matadouro? Já que a criação de produtos animais requer muito mais plantas do que a de produtos vegetais, o que devemos fazer caso nos preocupemos com os animais afetados pela criação de plantas?

19- E se estivesses preso numa ilha deserta?

Em situações de sobrevivência, humanos já mataram e comeram outros humanos, mas será moral matar e comer outros humanos num ambiente normal? Porque é que haveríamos de permitir, com base no que faríamos numa situação de sobrevivência, a continuação desnecessária da destruição do nosso planeta, do abatimento de animais inocentes, e da deterioração da nossa saúde?

20- Vegetarianismo não é já suficiente?

Qual será o destino dos pintainhos macho da indústria dos ovos que, sendo de uma raça de galinha diferente, não são adequados para a criação de galinhas destinadas à produção de carne? Porque será que uma vaca produz leite? O que acontecerá aos bezerros cujo leite feito para si nós bebemos? O que dizer do bem-estar de vacas que, para além de consecutivamente emprenhadas à força mediante inseminação artificial, através de reprodução seletiva, produzem até 10 vezes mais leite do que seria natural? O que será feito dos bezerros macho da indústria dos laticínios, que obviamente não produzem leite? Não será verdade que todos os animais da indústria dos ovos e dos laticínios também acabam num matadouro?

Queres saber mais sobre os benefícios de uma alimentação à base de produtos vegetais?

Overview: We Need to Talk About the Rise of Veganism

Pandemias: How to Prevent the Next Pandemic

Animais: Dominion

Ambiente: Environmental impacts of food production

Saúde: The Role of Diet in Preventing, Arresting, and Reversing Our Top 15 Killers

Estou convencido de que devo diminuir significativamente o consumo de produtos animais. E agora?

Ao longo do ano, a organização ”Veganuary” incentiva e apoia pessoas e empresas a adotar uma alimentação à base de produtos vegetais por forma a proteger o meio ambiente, prevenir o sofrimento animal, e melhorar a saúde. O seu site inclui recursos sobre receitas (pequeno-almoço, almoço, jantar, snacks e doces), guias de alimentação (getting started, dicas de nutrição, restaurantes e compras) e formas de nos envolvermos com o movimento.

Notas: este artigo baseia-se no livro 30 Non-Vegan Excuses & How to Respond to Them, e tenta manter o espírito das ideias do seu autor, Ed Winters. Todas as eventuais imprecisões da adaptação, interpretação e tradução são da minha inteira responsabilidade. A imagem da capa foi retirada daqui.

Para avaliar o impacto deste artigo, agradecíamos que preenchesses este questionário (não demora mais do que 1 minuto).

Leave a Reply