Com a proximidade das eleições presidenciais, lembramo-nos das notícias relativas aos níveis de abstenção das últimas eleições legislativas e europeias. Esta taxa é particularmente elevada e preocupante nas faixas etárias mais jovens.

Mas porque é que os jovens apresentam esta inatividade face à vida política do país, quando não a parecem ter, por exemplo, relativamente a questões ambientais?

Autoria: Ana Rita Fontes, MEBiom (IST)

Sabemos que estamos numa fase crítica do planeta Terra. Tudo pode correr muito bem ou muito mal a partir daqui e é a nossa geração que vai ter de lidar com as consequências. Portanto, faz sentido que haja cada vez mais consciencialização e que sejamos os maiores ativistas para que se reduza o consumo de plástico e as emissões de carbono, por exemplo.

Todos temos um pouco de “querer salvar o mundo” dentro de nós, é natural e humano. No entanto, parecemos esquecer-nos de que salvar o mundo começa no momento em que cumprimos as nossas responsabilidades como cidadãos de um país livre, ao escolher aqueles que nos vão representar nas grandes decisões.

Nas últimas eleições europeias, os 70% de abstenção foram bastante noticiados, tendo sido o sexto pior valor entre todos os estados membros da UE. Neste grupo encontrava-se a maioria dos jovens portugueses [1]. Essa situação já se tinha verificado anteriormente, em 2014, quando apenas 19% dos cidadãos entre os 18 e os 24 anos foram às urnas [2].

Nada disto faz sentido, sobretudo se nos lembrarmos que somos a geração com mais acesso à informação e mais estudos. A geração que usufruiu de uma educação altamente financiada por fundos europeus, com bolsas de Erasmus e  interrails facilitados pela livre circulação entre estados membros. Porque é que na hora de cumprirmos o nosso dever não comparecemos?

Uma possível explicação para esses valores tão elevados entre os mais novos é o facto de, na verdade, a nossa geração ser privilegiada. E não temos culpa. Estamos a usufruir do resultado de um grande percurso mundial e nacional de conquistas. O 25 de Abril foi apenas há 46 anos e ainda está profundamente marcado no nosso país. A maioria dos nossos pais, por exemplo, provavelmente não passavam de crianças, mas lembram-se do que estavam a fazer nesse dia.  Quem tem memória de uma ditadura e a viu cair, por certo tem outro sentido de responsabilidade e outra gratificação perante o direito de exercer o voto.

Nós, enquanto millennials e geração Z deste país, crescemos livres (pelo menos no sentido político da palavra), sem memórias de guerras que nos afetaram, a maioria com comida na mesa, roupa lavada e acesso fácil a cuidados de saúde e educação. Damos a democracia e a paz como garantidas. Podemos, portanto, dar-nos ao luxo de dizer que a política “não é bem a nossa cena”, tal como poderíamos dizer que pintura ou um estilo musical “não é bem a nossa cena”. Para além disso, muitos são os que não levam a sério o papel dos políticos na sociedade e acabam por não ter interesse em votar porque pensam que “vai tudo dar ao mesmo”, pois muitas vezes estes que nos representam estão mais interessados em si próprios do que no povo.

É importante perceber que o entendimento da vida política do país, a busca por partidos que representem os nossos interesses e a análise dos programas eleitorais antes de quaisquer eleições deveriam ser atividades inerentes a qualquer cidadão responsável.  O desinteresse e afastamento de um dever cívico tão arduamente conquistado, poderá sair-nos caro. Tal como avisou o ministro da educação Tiago Brandão Rodrigues quando questionado sobre a atitude dos jovens por altura das europeias de maio de 2019: “A cada passo que não exercem a sua cidadania, há alguém que exerce por eles”[1].

Esta questão leva-nos, naturalmente, a abordar a preocupante situação que se está a verificar por toda a Europa, em que a extrema direita parece ganhar cada vez mais apoiantes.

Um artigo publicado pelo Público após as últimas eleições legislativas [3], mostra o que parece ser uma relação direta entre os distritos onde houve maior abstenção e os distritos em que houve mais votos na extrema direita (entenda-se, no Chega!). O que parece é que, perante um povo cada vez mais desinteressado e descontente, este partido aproveita para converter não votantes em votantes de extrema direita com as suas promessas vagas de mudança da ordem social. Parece assim que “Combater a extrema-direita tem, portanto, obrigatoriamente de passar por combater a abstenção e chegar às pessoas com soluções reais antes que a mensagem oca da extrema-direita lhes ofereça a falsa salvação” [3].

Obviamente esta ação de consciencialização tem de ser transversal a toda a população, mas é aqui que poderá ser crucial envolver as faixas etárias mais jovens. A extrema direita consiste num bloqueio ao modernismo, focando-se na preservação das mentalidades mais “tradicionais”. Se continuar a ganhar força, o mundo tal como conhecemos mudará e todos sabemos que isso não correu bem no passado.  Se é nossa missão proteger o nosso planeta para que nós e as próximas gerações nele possamos habitar com qualidade de vida, também é igualmente importante garantir que as ideias e as mentes avancem para a frente e não para trás, pelos mesmos motivos.

O problema da inatividade política na juventude já parece ter sido devidamente reconhecido pelo Ministério da Educação. Para além de aulas de Cidadania, criaram-se também diversas iniciativas que pretendem que os alunos apresentem as suas ideias de como melhorar a escola. Pretende-se assim incutir nos mais novos um espírito mais ativo e consciente que um dia se poderá refletir na sua participação política [1].

Quanto à geração um pouco acima, nomeadamente dos 18 aos 24 anos, cabe-nos a nós consciencializar ao máximo os nossos amigos, sobretudo na parte em que dizem que política “não é bem a cena deles” ou que “vai dar tudo ao mesmo” e fazer perceber porque é que isso está errado e dar sugestões de como se envolverem mais. Também é nosso dever criar, um dia, pequenos cidadãos (se os quisermos ter) informados e perpetuar este espírito ativista.

Por agora, não é tarde. No próximo dia 24 de janeiro podemos já mudar os números da abstenção ao escolher quem melhor nos representará no palácio de Belém nos próximos 5 anos! Que nunca nos esqueçamos que “salvar o mundo” começa com o cumprimento deste dever e que recordemos sempre o papel daqueles que lutaram para que o pudéssemos fazer.

Referências

[1] https://www.jn.pt/nacional/e-preciso-agir-urgentemente-junto-dos-jovens-para-combater-abstencao-10950828.html

[2] https://setemargens.com/os-jovens-e-a-abstencao/[3] https://www.publico.pt/2019/11/05/politica/opiniao/combater-extremadireita-primeiramente-passar-combate-abstencao-1892591

Leave a Reply