Terá o confinamento social repercussões ao nível da saúde mental?
Será necessário adotar novos mecanismos de defesa que nos ajudem a gerir melhor as emoções e os pensamentos negativos?
Para que é que serve o humor num momento de tragédia? Poderá funcionar como catarse?


Autoria:
Joana Silva, MEBiol (IST)


20 de Março, 2020

Penso, reflito e repenso. A dúvida permanece na escuridão das incertezas. Tudo é incerto, tudo é constante mudança. No fundo, a inconstância é uma constante.

“São precisamente as perguntas para as quais não há resposta que marcam os limites das possibilidades humanas e traçam as fronteiras da nossa existência” (em A Insustentável Leveza do Ser).

24 de Março, 2020

A confusão paira na minha mente, inconscientemente. Tenho feito um esforço enorme numa tentativa (falhada, adianto desde já) de alienação da realidade que me invade a cada momento.

26 de Março, 2020

Todas as convicções que outrora tive foram consumidas pelo tempo. É-me impossível dar um rumo à vida, quando eu própria ando à deriva. O que é suposto fazermos neste mundo? Estamos destinados a quê? Todos os dias me tenho questionado, sem nenhuma resposta aparente para breve.

1 de Abril, 2020

Até que ponto fará sentido a noção que temos do ‘agora’, do ‘momento presente’, como uma constante passagem do passado em direção ao futuro? Não será perniciosa aquela ânsia desmedida pelo que vai acontecer e não pelo que está a acontecer? 

A conjuntura atual, para além de todas as dúvidas que levanta, responde à questão que mais tem invadido o imaginário da humanidade: de facto, não estamos destinados a nada em concreto para além da morte e a vida vai apenas adiando esse impreterível fado que todos temos. Diria que a premência algo imposta pela sociedade para delinear e traçar objetivos num futuro longínquo, totalmente imprevisível, se torna ininteligível e ilógico, um absurdo. 

4 de Abril, 2020

Porque é que cada dia que passa parece uma semana ou mesmo dois meses ou uma vida? Porque é que os sintomas de um distúrbio de bipolaridade têm tido tanto efeito em mim? Num momento, sinto tranquilidade e felicidade por ter a sorte (porque se trata disso mesmo) de estar fisicamente bem, de não ter familiares a sofrer desta patologia, dependentes de um ventilador que suporta a luta injustamente precoce que se trava entre a vida e a morte… De facto, não me posso queixar. Mas há momentos em que parece que o mundo desaba a meus pés… Num ápice, a alegria sofre uma metamorfose para um estado de humor depreciativo, de inquietação, de frustração e desalento. Ciclone de ansiedade, desespero e quietude são as palavras que mais fielmente descrevem e se coadunam ao meu pensamento.

7 de Abril, 2020

Extraordinariamente, denoto uma reação excessiva a estímulos, para alguém que se encontra confinada a quatro paredes. Todas as repentinas e imprevisíveis variações de humor levam-me a pensar que o meu desconcerto com o mundo é real e visível a olho nu.

28 de Abril, 2020

Sinto novamente um apelo inexplicável à exteriorização dos pensamentos através da escrita, uma necessidade de desabafar e confidenciar os receios e as ansiedades que habitam nas profundezas da minha consciência.

Passados 45 dias de isolamento, comprovo, não cientificamente, mas pela ótica do utilizador, que o confinamento social tem repercussões a nível da saúde mental (certamente não será o primeiro efeito colateral que nos vem à cabeça quando pensamos numa pandemia, mas é uma verdade inquestionável e preocupante que não pode, nem deve, ser descurada). É frequente um estado de espírito de desmotivação e, consequentemente, de frustração, na ausência de uma produtividade suficientemente satisfatória (numa escala de procrastinador profissional a compulsivo-trabalhador medicamente assistido, situa-se a pouco mais de metade), que se tornou quase obrigatória de forma inconsciente e permanente. Devo confessar, aqui que ninguém nos ouve, que tem sido um desafio manter o bem-estar psíquico, no que diz respeito a uma gestão equilibrada de emoções e pensamentos, muitas das vezes negativos.


CONTEÚDO EXCLUSIVO

Subscreva a versão Premium se pretende continuar a bisbilhotar este diário

Não é fácil para ninguém, bem sei, sobretudo para todos aqueles que estão na linha da frente. Apesar disso, nós, estudantes, não estamos propriamente numa posição privilegiada perante “a nova normalidade” (devo dizer que esta expressão, pelo número ridículo de vezes que já foi proferida, dever-se-ia considerar obsoleta).

Incerto, inesperado, aleatório. É esse o panorama de avaliações “calendarizadas” para este semestre. Realmente, faz todo o sentido, a cerca de uma semana de duas hipotéticas avaliações, não termos garantias de nenhuma delas. Naturalmente que a indeterminação dos métodos de avaliação a adotar em cada cadeira, nesta altura do campeonato, só contribui para um apaziguamento do nosso estado de espírito de interrogação constante…

É verdade que a adaptação da equipa de docência do IST tem sido, de uma forma geral, adequada e eficiente, atendendo ao clima de singularidade e anormalidade que se vive, marcado pelo imprevisto. Compreendo que as circunstâncias atuais constituem obstáculos para o ensino tradicional e que exigem uma procura apressada, mas ponderada, de soluções viáveis que permitam fazer face às adversidades impostas. Todo esse processo requer tempo e uma mudança de paradigma que se traduz numa volta de 180º ao modelo de educação implementado até então. Não obstante, face a um estado que nos é imposto, temos de saber adotar a melhor atitude possível. E, efetivamente nem todos (felizmente, uma minoria) se conseguiram moldar a este prisma, o que amplifica ainda mais o desafio que é zoomar e estudar à distância. De facto, aquela célebre frase “Se não atrapalharem, já ajudam” não se está a verificar, de todo.

Adicionalmente, nunca é demais lembrar que a inteligência artificial não está na lista de sintomas da Covid-19, pelo que é bastante improvável que nos tenhamos transformado em máquinas nos últimos tempos. Por outras palavras, é normal que não tenhamos disponibilidade mental para sermos mais produtivos do que o normal, agora que temos todo o tempo do mundo para apreciar e tirar as medidas às paredes de casa, pelas horas que passamos a olhar para elas.

“É viver um dia de cada vez”, dizem os nossos avós naquelas videochamadas de Whatsapp, que nos permitem, sobretudo, matar saudades das suas testas… De facto, dada a incapacidade de prever o desenlace desta pandemia e, consequentemente, a impossibilidade de fazer planos a longo prazo, algo para o qual, como sociedade, fomos formatados a fazer, há que traçar metas realistas e aprender a gerir as emoções negativas que possam advir do facto de ser humanamente impossível ler dois clássicos da literatura, terminar um projeto e estudar a matéria de uma cadeira para um semestre num dia. A questão é que tal nunca foi possível na era pré-covid. Por isso, fará algum sentido, numa altura ainda mais frágil e tremida a nível psicológico e emocional, pressionarmo-nos a tanto?

A meu ver, é essencial que não estejamos informados em demasia e saibamos ocupar a mente com atividades que nos impelem a ausentar do real, da tragédia que se vive (procedermos a um estudo intensivo e obsessivo, num nível quase neurótico, dos gráficos de número de infetados, de mortos e de recuperados pode contribuir para melhorar a nossa nota à componente laboratorial de Excel, mas certamente não terá o mesmo efeito em termos de sanidade mental).

Em particular, de entre os pilares que têm, dentro do possível, alicerçado o meu edifício de estabilidade emocional e psicológica que se encontra em obras desde há 1 mês, o mais importante tem sido, indubitavelmente, o humor, que assumiu um papel fulcral na necessidade que senti de relativização e alheamento da realidade, de distração do medo e da racionalização excessiva da incógnita que é o futuro. “É impossível rir e ter medo ao mesmo tempo”, citando Stephen Colbert. Para mim, o humor é uma das formas de catarse mais poderosas, a qual tenho “usado” e abusado naqueles dias em que a vontade de sair da cama era nula. Porquê as aspas? Porque o humor não deve ser considerado em termos de utilidade, já que não tem serventia efetiva. É verdade que assume particular proficuidade, no meu caso. Contudo, como parte integrante da arte no sentido lato da palavra, não é algo somente oportuno ou conveniente em determinados períodos de escassez de estabilidade emocional, mas sim necessário todos os dias. Essencialmente pela contrariedade de coisas que faz: “no processo de desconjurar o medo, fala-se sobre o medo; o humor aponta para a ferida e funciona como analgésico” (de Ricardo Araújo Pereira).

Para além de todo o pânico e neura que se gerou, muito resultante da saturação do espaço de informação por esta pandemia (que apanhou o mundo de surpresa, de modo equiparável à notícia de transferência da Cristina Ferreira para a SIC, ou da morte da princesa Diana, por ordem decrescente de relevância), o “Como é que o Bicho Mexe” ocupa o 1º lugar no pódio das melhores criações que Covid-19 ocasionou. Bruno Nogueira proporcionou momentos excelsos, assinalados por intervenções humorísticas geniais, como aliás, é seu apanágio: uma celebração do 25 de Abril única, memorável e extremamente emocionante, com Vhils a esculpir o rosto de Zeca Afonso ao som de “Grândola, Vila Morena”; uma conversa deliciosa e surpreendente com Eunice Muñoz; um extraordinário mini concerto com a pianista Maria João Pires; as atuações de Karaoke de Nuno Markl, que dispensa apresentações; as presenças irreverentes, caracterizadas, muitas das vezes, por uma performance de intervenção por parte de Albano Jerónimo; as aparições quase diárias de Nuno Lopes, um notável e respeitado ator; as chamadas com João Manzarra, Mariana Cabral e Salvador Martinha, marcadas pela boa disposição e humor característicos; os momentos mais intimistas, relaxantes e gratificantes proporcionados pelo talentoso Filipe Melo.

O season-finale desta odisseia de cultura e entretenimento que alimentou a alma tomou lugar no dia que antecedeu o término da escrita deste capítulo. A consagração desta festividade constituiu um verdadeiro testemunho de reconhecimento e gratidão pela companhia tremenda à população, que teve o privilégio de assistir e desfrutar da criatividade e espontaneidade deste comediante, em tempos de isolamento. Acima de tudo, serviu para salientar o papel fundamental do humor e da cultura, que têm ainda maior importância em tempos de tragédia.

“O humor pode ser, então, uma estratégia para reagir ao sofrimento. Uma espécie de mau perder que leva o humorista, não a adaptar-se ao mundo, mas a afeiçoá-lo a si – mesmo que, para isso, tenha de dobrá-lo, torcê-lo, virá-lo do avesso” (de RAP).

Leave a Reply