Após as últimas eleições para a AEIST, assistiu-se no dia 14 de novembro à cerimónia de tomada de posse dos novos órgãos sociais. Nesta intervieram o presidente cessante Rodrigo do Ó, o presidente do IST Prof. Arlindo Oliveira e, finalmente, o novo Presidente da AEIST João Silva.

Começou com uma intervenção do presidente cessante Rodrigo Do Ó, na qual reflectiu sobre o ano e meio em que esteve à frente da AEIST. Destacou o facto de se ter tratado de uma equipa composta por pessoas que nunca tinham ocupado cargos na AEIST até àquele momento, tendo como principal objectivo a implementação de uma gestão financeira responsável. Ainda que, aos seus olhos, os primeiros seis meses tenham sido atribulados, destaca o trabalho realizado: a produção própria de folhas de teste, o fecho das piscinas e a realização de eventos como o Arraial do Técnico, que foram bem sucedidos e constituíram exercícios financeiros positivos. Um dos pontos que, segundo o presidente cessante, marca o anterior mandato é a alteração dos estatutos do aluno através de debates, uma campanha intensa e um referendo final no qual participaram 2400 alunos, tendo sido aprovada a alteração. A acabar, voltou-se mais para o panorama internacional, onde criticou a onda de xenofobia, racismo e isolacionismo intensificada pelos últimos eventos, tais como o Brexit e as eleições nos EUA. A nível nacional, afirmou que é importante pressionar os governos e políticos para produzir alterações ao nível do ensino, remodelando disciplinas como Formação Cívica para educar as crianças sobre os valores da democracia e estendendo programas deste género ao resto da população, e lutar por uma economia que não coloque em causa o ambiente e ao mesmo tempo fomente a criação de emprego não precário.

De seguida falou o presidente do Técnico, professor Arlindo Oliveira, que apontou alguns dos pontos mais importantes em que a AEIST, do seu ponto de vista, se deve focar. Primeiro, o alheamento dos alunos pelas causas políticas e sociais. É fundamental atraí-los e encorajar uma participação mais activa, acabando com a falta de representatividade de toda a comunidade no debate de ideias e problemas que por agora é apenas feito pelas elites. Como segundo ponto, refere ainda que a AEIST não pode estar apenas focada em fazer bons eventos como o Arraial do Técnico. É fundamental que se adapte aos novos tempos, onde as novas tecnologias levam a alterações da relevância e utilidade de funções que a AE costumava exercer. Olhando para o mandato anterior, elogiou a capacidade demonstrada em sanear o grave problema financeiro da AEIST, manifestando disponibilidade para trabalhar em conjunto para decidir como dar bom uso ao património desta, mais concretamente, às piscinas fechadas, mas também a outros espaços inutilizados.

Por fim, João Silva, o novo presidente da AEIST, prometeu continuar o projecto iniciado pela direcção anterior, fazendo uma gestão eficiente e responsável dos recursos e defendendo ao mesmo tempo os interesses dos alunos. Um ponto que destacou que tem de ser prontamente resolvido é a falta de espaços de estudo, alavancando que é necessário aproveitar melhor os espaços existentes, bem como procurar novas opções. Defende um diálogo e colaboração com os diversos grupos de estudantes, prometendo fazer do Fórum AEIST uma realidade durante o seu mandato para tornar esta cooperação mais eficaz. Falou também da necessidade da AEIST se aproximar das residências de estudantes e das suas comissões. Para finalizar, prometeu que a AEIST continuará a ter um papel preponderante no movimento associativo estudantil a nível nacional.


Texto: Miguel Martinho